Prefácio

É difícil ser Cristão.
Muito difícil e inspirador!

Ensinavam os Mestres Gnósticos
no princípio do Cristianismo que a intenção
desta “revolucionária” Mensagem não é ser fiel a Cristo
ou termos “devoção” a Jesus Cristo,
mas, o que importa, na realidade,
é todos sermos “Cristos”!

Viver o Cristo em nós, tornarmo-nos seus iguais.
Seres que nas suas Vidas afirmam e irradiam
a Lei-do-Amor!

Esta dimensão é a “Essência” do Cristianismo,
mensagem Planetária e Universal.
Tão incompreendida, mesmo por quem se diz Cristão.

O que mais me “encantou” neste livro do Pedro Elias,
além da sua escrita sensível e inteligente
que sempre considero, foi ter-nos apresentado
o modo-de-Viver dos primeiros Cristãos.
A simplicidade e o rigor com que as palavras do Mestre
eram por eles assimiladas e assumidas.

Cristãos exemplares de que tão pouco se sabe,
a não ser que passaram à História
por terem sido “comidos” pelos leões!

Perdoar a quem amamos não chega a ser virtude.
Perdoar a esses que nos perseguem
e ameaçam violentar a nossa Identidade
é já um grande “trabalho” de Vida,
um profundo Caminho interior!

Este livro do Pedro oferece-nos a leitura de um Tempo
em que coabitavam lado-a-lado,
e se confrontavam frente-a-frente,
“anjos” e demónios!

Seres amorosamente “dóceis” à Vontade-do-Céu,
e outros, sem nenhuma consciência dessa Vontade,
onde, e na total ignorância
dos correctos valores Humanos,
na ambição e na crueldade, se manifestavam
com arrogância, autoridade e Poder.

Assim se afirmava a decadência de um Império,
frente ao emergir de um luminoso Cristianismo
que anunciava um Mundo melhor!

Quando em 325 d.C. o imperador Constantino
se converteu ao Cristianismo, a notícia foi recebida
por esses Cristãos perseguidos,
como uma enorme Libertação!
O início de um Tempo fraterno,
expressão da Mensagem amorosa de Jesus Cristo.

Não o foi. A triste História do Ocidente
assim o testemunhou, quando, em nome de Jesus Cristo,
se fizeram Cruzadas para matar os chamados “infiéis”,
Guerras Santas, penalizações perversas e cruéis
como a “Santa” Inquisição!
Iniciativas e decisões com aparência de virtude,
mas que eram a expressão hipócrita
da mesma “Onda negra” que em Tempos activara
o poder de Roma!

Na realidade, o Poder Romano,
com outras vestes, nunca abriu mão do seu Trono!

Tudo isto o Pedro Elias, duma forma, ora directa,
ora romanceada, ora subtil,
nos conta, nos revela, nos faz lembrar…


Bem-hajas Pedro.
Maria Flávia de Monsaraz

Contactos

  • Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
  • NIF: 509343635